Somos o site www.reavendonoticiaesports.com , no ar com vocês desde vinte e dois de outubro de dois mil e doze.(22/10/2012). Com a velocidade da divulgação das informações em tempo real que elas acontecem para nossos leitores. Junto ao Reavendo Noticia Esports temos paginas sociais, Facebook e parcerias de sites e seguidores de Twitter . Com todo esse empenho conseguimos mostra aos internautas, Noticias de Parnaíba, Municípios vizinho, Brasil entre outras, como : Futebol, Política, Entretenimento, Ciência e Saúde, Novelas e outras; ao seu lado direto temos um espaço reservado para divulgação de publicidade com contratos. O site www.reavendonoticiaesports.com , tem a missão de oferecer aos seus leitores noticias de qualidade, tendo a responsabilidade de informa sempre a sociedade dos acontecimentos. Por isso contamos com vocês leitores para fazer essa parceria junto com Reavendo Noticia Esports por muito tempo. Agradecemos imensamente todos os nossos colunistas, parcerias, por fazer um trabalho bem realizado, gerando credibilidade e compromisso social. Att: João Paulo Reavendo.

HAPPY HOUR - Inglês para todas as idades

Pingente Tel: (86) 9416-3857 / 8864-2355 / 9904-6880

Pingente Tel: (86) 9416-3857 / 8864-2355 / 9904-6880

DEPÓSITO TABULEIRO - MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Pinheirão Moveis

Pinheirão Moveis

11/10/13

WhatsApp virou armazém de pornografia involuntária

Mulheres são expostas de maneira literalmente incontrolável na era do smartphone e o WhatsApp se transformou num verdadeiro armazém de pornografia involuntária.

Katrin é uma estilista de Goiás que gosta de fazer sexo anal; Fernanda tem habilidades orais extraordinárias; Janaína estava de costas quando a fotografaram. Todos os nomes acima são fictícios. Suas histórias, não. Elas são apenas algumas das garotas que vieram parar no meu celular através do WhatsApp, um aplicativo de mensagens que acabou se tornando um verdadeiro armazém de pornografia amadora.
Em circunstâncias normais, isso não seria um problema. Acontece que as protagonistas desta história, em sua imensa maioria, estão ali contra a sua vontade – e são expostas de uma maneira literalmente incontrolável na era do smartphone. Na gíria popular, elas “caíram na net”. Se isso é uma novidade? De maneira alguma. Há um bom tempo o SMS, o email e o Messenger são usados por sujeitos de caráter escuso para divulgar suas conquistas sexuais.

Tratava-se de um processo relativamente lento, porém. O rapaz passava o material para um amigo, que repassava para outro e por aí a coisa andava. Mas a popularização do WhatsApp foi como botar um motor de McLaren numa engrenagem que andava em ritmo de Fiat 147. É comum as pessoas terem, hoje em dia, vários grupos no WhatsApp: faculdade, escola, trabalho, pôquer, futebol e por aí vamos. 

Bastam dois cliques (literalmente) para repassar qualquer arquivo para dezenas de pessoas em questão de segundos. E nem precisa dizer que esse arquivo, em 90% dos casos, é pornografia amadora. Quase sempre contra o consentimento da modelo, claro.
Nos últimos tempos, a prática tornou-se ainda mais sofisticada. Agora junto dos vídeos e fotos, são compartilhados print screens do perfil da garota no Facebook ou no Instagram, para que não haja dúvida quanto a sua identidade. E para deixar claro que ela “caiu na net” contra sua vontade – elevando o grau de qualidade do material, pois o proibido é mais gostoso – são compartilhadas também conversas da garota no próprio WhatsApp, nas quais ela mostra sua decepção por ter sido traída pelo parceiro. Às vezes há até o seu telefone, o que resulta invariavelmente no assédio de dezenas homens. É uma humilhação em dose completa, pode-se dizer assim.
Há uma corrente de pensamento que bota nelas a culpa disso acontecer. Afinal, quem mandou tirar a foto ou fazer um vídeo erótico? Mas dizer isso é tão absurdo quanto justificar um estupro porque a garota vestia uma saia curta demais: “Ela estava pedindo.” Poucas atitudes são tão covardes quanto trair e expor uma pessoa que confiou e se abriu para você. E não digo que os homens covardes são uma novidade de 2013. Eles apenas parecerem ter feito do WhatsApp seu habitat natural.
Pedro Nogueira, DCM
Postar um comentário